poultry gut - Anco

Preparando o intestino das aves para lidar com os estressores

Pesquisas lançam luz sobre como as intervenções nutricionais podem modular a expressão gênica de vias metabólicas fundamentais no intestino para aumentar a capacidade das aves em lidar com estressores.

Reduções relacionadas ao estresse no desempenho produtivo e reprodutivo das aves causam perdas econômicas substanciais. Nas aves, o intestino é altamente responsivo aos estressores da ração e do meio ambiente. Sob condições comerciais, as aves são expostas a uma variedade de estressores nutricionais e ambientais. Isso levará a reações de estresse como estresse oxidativo, respostas inflamatórias e integridade intestinal reduzida em nível celular e intestinal, o que aumentará os requisitos de energia de manutenção.

Além disso, os estressores podem afetar negativamente a ingestão de alimentos, de modo que o desempenho e a eficiência das aves podem diminuir significativamente. Nas galinhas poedeiras, o estresse oxidativo também pode acelerar o processo de envelhecimento dos ovários e prejudicar a função hepática, o que pode afetar a persistência da postura e a qualidade dos ovos nas fases mais avançadas do ciclo de postura.

Os métodos desenvolvidos para melhorar a medição dos mecanismos subjacentes por meio de marcadores moleculares podem levar a uma melhor compreensão de como as reações podem ser manipuladas para reduzir o impacto no desempenho das aves.

Melhorando a capacidade adaptativa das aves

Ao melhorar a capacidade adaptativa dos animais aos estressores é possível diminuir substancialmente suas consequências negativas na produção de aves. Pesquisadores consideram que as mudanças na expressão gênica são de grande importância para a adaptação aos estressores e, portanto, são fundamentais para o desenvolvimento de técnicas para gerenciar as reações ao estresse no animal. Certas vias moleculares responsáveis pela transcrição de genes para enzimas envolvidas na proteção contra os efeitos dos estressores em nível celular desempenham um papel vital na capacidade adaptativa das aves. Uma melhor compreensão dessas vias e o desenvolvimento de maneiras de rastrear e medir mudanças em seus indicadores chave estão abrindo caminho para dar suporte por meios nutricionais, visando maior resiliência das aves. Certos componentes bioativos derivados de plantas são candidatos promissores para soluções nutricionais porque também desempenham papéis importantes em rotas metabólicas semelhantes nas plantas para melhorar a capacidade delas lidarem com estressores que ameaçam sua sobrevivência.

Mecanismos subjacentes à capacidade adaptativa

O estresse oxidativo é uma das reações mais comuns ao estresse em nível celular do animal. É caracterizada pelo excesso de produção de radicais livres (ROS), que excede a capacidade do sistema de defesa antioxidante da ave para neutralizá-los.

Nos últimos anos, muita atenção foi dada ao fator de transcrição Nrf2 e dados científicos indicam que a ativação do Nrf2 é um dos mecanismos mais importantes para prevenir / diminuir as alterações prejudiciais relacionadas ao estresse. O Nrf2 é um fator de transcrição que responde ao estresse oxidativo pela ligação ao elemento de resposta antioxidante (ARE), que inicia a transcrição das enzimas antioxidantes.

Estas enzimas contribuem para a melhoria do sistema de defesa antioxidante das aves e reduzem o estresse oxidativo em nível celular. Eles também são conhecidos por bloquear o Nf-kB, resultando em proteção contra a inflamação. No entanto, quando o estresse é muito alto, levando a uma concentração de radicais livres superior ao limite suportado pelas células, outros fatores de transcrição, incluindo NF-kB, se tornam predominantes, o que aumenta a inflamação. Pesquisas sugerem que este limite poderia ser aumentado por meios nutricionais, tornando as vias metabólicas mais robustas sob estresse e reduzindo o estresse oxidativo e as respostas inflamatórias.

Avaliação recente da intervenção nutricional

Pesquisas realizadas pela Agricultural University of Athens em frangos de corte, avaliaram um ativador da agilidade intestinal como uma nova intervenção nutricional para melhorar a capacidade adaptativa das aves para maior resiliência aos estressores. Este ativador contém uma combinação de substâncias bioativas derivadas de ervas e especiarias projetadas para reduzir o impacto negativo dos estressores no desempenho das aves.

Neste estudo, a análise de amostras de tecido de diferentes segmentos do intestino das aves foi realizada para estudar a expressão relativa de genes relacionados a enzimas antioxidantes e inflamação. Foi descoberto que a inclusão do ativador de agilidade intestinal à dieta aumentou a expressão gênica de enzimas antioxidantes pertencentes à via NrF2 / ARE e diminuiu a expressão genica de NF-kB1. Análises adicionais realizadas no mesmo estudo demonstraram que isso coincidiu com níveis aumentados da capacidade antioxidante total no intestino. No entanto, o efeito positivo do ativador da agilidade intestinal foi dependente do nível de inclusão e segmento do intestino.

Implicações comerciais

Novos e poderosos métodos analíticos estão catalisando o progresso em nossa compreensão da mecânica de ação de certos aditivos nutricionais. Os resultados da pesquisa atual sugerem que é possível aumentar a capacidade da ave de se adaptar eficientemente aos estressores adicionando um ativador de agilidade intestinal ao alimento. Em combinação com dados de desempenho de ensaios comerciais na presença de estressores (como calor, alto nível de produção e micotoxinas), há evidências de que o ativador da agilidade intestinal oferece uma solução para ajudar a reduzir o impacto dos estressores no desempenho em condições comerciais.

Produtores que procuram performance mais consistente em resposta aos seus programas nutricionais ou para sustentar ciclos de produção mais longos, por exemplo em galinhas poedeiras por meios naturais, poderiam se beneficiar economicamente disso. No entanto, esta pesquisa, juntamente com pesquisas anteriores, também demonstra a importância de testar e otimizar os níveis de inclusão de substâncias ativas derivadas de plantas e especiarias, para que elas façam parte de soluções comercialmente viáveis em dietas custo-efetivas.