Mulheres na agricultura - women in agriculture brazil

Mulheres na agricultura – o que elas trazem para a mesa

A maioria das mulheres na agricultura não herda fazendas. Isso significa que, para a maioria das mulheres agricultoras, a agricultura é uma escolha que elas fazem. Mesmo que a indústria possa obviamente se beneficiar muito dessa escolha, em muitos casos, as mulheres não eram reconhecidas até recentemente.

por Gwendolyn Jones

Esse é o mês para reconhecer as contribuições e realizações das mulheres na agricultura, trabalhando como agricultoras, veterinárias, agrônomas e muitos outros papéis diferentes que apoiam a indústria agrícola e que em última análise, traz comida para nossas mesas. Conforme mencionado no final deste artigo, a agricultura foi identificada como uma área crítica para alcançar a igualdade de gênero, porque ficou provado que ajuda a reduzir significativamente o número de pessoas com fome no mundo.

Sou mulher, gerente de mercado e jornalista freelancer trabalhando na agricultura e venho estudando este segmento nos últimos meses. Para mim, foi uma jornada incrivelmente reveladora e inspiradora, lendo e ouvindo histórias incríveis, às quais agora percebo que mais e mais pessoas ao redor do mundo estão começando a entender esta realidade. Obviamente, se você estiver estudando a agricultora, também aprenderá muito mais sobre o agricultor, porque em muitos casos eles trabalharão juntos como uma grande equipe. No entanto, como é o mês internacional das mulheres, neste artigo, estou focando nos desenvolvimentos relativos à mulher que atua neste segmento e no que ela literalmente traz para a mesa.

As agricultoras estão em ascensão

Players agrícolas como os EUA e o Brasil estão vendo um aumento no número de mulheres que administram fazendas. Em 2019, o Brasil registrou um recorde de 31% das fazendas administradas por mulheres, o que foi três vezes maior do que em 2013, com base em dados da Associação Brasileira de Agronegócios. Nos Estados Unidos, a proporção de fazendas com mulheres como principais gestoras cresceu de 14% das fazendas em 2012 para 29% em 2017.
Isso se deve às mudanças feitas nos relatórios do censo agrícola de 2017 nos EUA, que refletem melhor quem desempenha os papéis principais em uma operação, mas o aumento relatado nas mulheres agricultoras não está relacionado apenas a isso. O USDA define o principal gestor como a pessoa que administra a fazenda e toma as decisões de gerenciamento diárias. No entanto, não se autodenominar o principal gestor não significa que as mulheres não estejam envolvidas na tomada de decisões cotidiana nas fazendas.

O censo de 2017 nos EUA revelou ainda que 36% dos 3,4 milhões de produtores americanos eram mulheres (um aumento de 27% em relação ao número contabilizado em 2012) e 78% de todas as mulheres produtoras afirmaram estar envolvidas no dia-a-dia e nas decisões importantes do dia a dia operação. Com 59% das mulheres envolvidas na tomada de decisões em relação às lavouras e 55% das mulheres envolvidas nas decisões sobre o gado.

Na UE, a proporção de mulheres que administram fazendas é de 28%, de acordo com um relatório do ano passado e os dados do Eurostats mostram que houve de fato um aumento de mulheres agricultoras na UE na última década, embora o aumento seja menor em comparação ao o que é visto no Brasil e nos Estados Unidos. A Áustria está entre os seis principais países da UE em relação à proporção de mulheres que responsáveis pela gestão das fazendas no país e registrou 31%. A Lituânia e a Letônia têm a maior proporção de gestoras de fazendas, com 45%.

Atualmente, o Reino Unido tem sua primeira mulher presidente da União Nacional de Agricultores da Inglaterra e do País de Gales em seus 110 anos de história. De acordo com a pesquisa anual da população de 2018-19 do Office for National Statistics do Reino Unido, o número de mulheres agricultoras no Reino Unido atingiu agora um número de 17% como uma proporção de todos os agricultores no Reino Unido, e os números estão mostrando que há mais mulheres gestoras de fazendas e proprietárias do que antes. Uma pesquisa recente realizada com mulheres que trabalham e vivem em fazendas na Escócia revelou que mais da metade das entrevistadas desempenha um papel na tomada de decisões diárias e nas principais decisões sobre suas fazendas.

Nos países de baixa renda, a agricultura continua sendo o setor de emprego mais importante para as mulheres, onde 40% das mulheres ou mais trabalham na agricultura. No entanto, nesses países, as mulheres têm significativamente menos propriedade ou controle sobre as fazendas em comparação com os homens e com as mulheres de outras partes do mundo.

Apaixonado pela comida que eles trazem para a mesa

Graças a agricultores de todo o mundo, temos comida em nossas mesas todos os dias. A prática cultural de passar grandes fazendas intactas para um filho, que ainda prevalece na maioria dos países, é a maior barreira à entrada das mulheres na agricultura e significa que a maioria das mulheres na fazenda não herdou fazendas. Por exemplo, pesquisas em Iowa, que é o estado mais importante para a agricultura nos EUA, mostraram que a maioria das terras de propriedade de mulheres foi comprada (69%) em vez de herdada (27%). De acordo com esta pesquisa, as motivações para as mulheres eram: a agricultura era uma aspiração pessoal, elas sonhavam com a agricultura por muitos anos e queriam controlar suas operações. Então, o que distingue muitas agricultoras de agricultores é que a agricultura não é algo que lhes foi passado por gerações. Para muitas agricultoras, foi uma escolha que fizeram, algo que tiveram que ganhar antes que pudessem começar a fazer a diferença. E elas estão vivendo seu sonho. O resultado é uma quantidade incrível de ações apaixonadas entrando na produção de alimentos proveniente de mulheres. As mulheres são apaixonadas não apenas por nutrir suas próprias famílias de maneira saudável, mas também por suas comunidades e pelo mundo. Eles também compartilham ativamente sua paixão nas mídias sociais. A pesquisa Women in Ag de 2019 mostrou que 95% das 3.000 entrevistadas dos EUA advogam frequentemente para o setor agrícola e tendências semelhantes podem ser vistas em outros países.

As mulheres na agricultura prosperam em três grandes C’s

O que as mulheres na agricultura parecem ter em comum nos diferentes países é representada por uma enorme vontade não apenas de se comunicar, mas também de se conectar e colaborar. Eles se conectam nas mídias sociais, conferências e redes de mulheres para oferecer apoio emocional e compartilhar informações. No ano passado, eu estava em um evento deste tipo pela primeira vez. Achei o evento Mulheres na Alimentação e Agricultura (WFA19), reunindo mulheres da agricultura de diferentes partes do mundo muito inspiradoras e empoderadas. Certamente, criou um sentimento de união e, para enfrentar os desafios de hoje e de amanhã para a agricultura. Nas redes agrícolas das mulheres, elas também estão redefinindo e expandindo a definição e o real significado da agricultura.

Uma nova perspectiva pode fazer uma grande diferença na agricultura

Como as mulheres na agricultura geralmente têm formação variada e não somente agrícola, podem trazer uma nova perspectiva. As mulheres que se casam com a agricultura podem trazer habilidades úteis de fora da fazenda para a agricultura, o que pode ajudar a diversificar os negócios ou aumentar a resiliência financeira deles. Devido aos costumes sociais vigentes e aos estereótipos tradicionais, a maioria das mulheres não herda fazendas, o que significa que é muito menos provável que caiam na armadilha da atitude “por que mudar, sempre foi assim” e, como resultado, têm mais probabilidade de estar aberta para experimentar coisas novas quando trabalham na Agricultura. Consequentemente, as mulheres também podem ser catalisadoras de mudanças.

As agricultoras têm um desejo de diversificar as fazendas

Relatórios nos EUA e no Reino Unido revelam que a diversificação agrícola é um domínio liderado por mulheres. Pesquisas sugerem que as mulheres na agricultura dos EUA têm maior probabilidade de serem encontradas em operações agrícolas que agregam valor à agricultura. A agricultura de valor agregado é geralmente referida como o processo de diferenciação do produto ou mercadoria da agricultura bruta, e também pode estar relacionada ao turismo agrícola.

Nível de educação

Para ter sucesso na agricultura, você precisa ser inteligente. Portanto, não é de surpreender que, de acordo com o último censo agrícola dos EUA, 69% dos jovens agricultores pesquisados possuíssem diplomas universitários – o que é significativamente maior que a proporção na população geral dos EUA.

Um estudo conduzido pelo Sistema de Informação sobre Educação Agrícola nos EUA mostrou que as mulheres de graduação matriculadas em cursos agrícolas superavam os homens de graduação por 2.900 estudantes no ano de 2011. Em 2017 Texas A&M University – College Station, a universidade com maior número de estudantes de agricultura e mais cursos oferecidos na agricultura nos EUA tiveram um número maior de mulheres graduadas do que homens (693 mulheres graduadas x 507 homens graduados)

No Reino Unido, agora existem mais estudantes do sexo feminino na agricultura e cursos relacionados ao ensino superior do que estudantes do sexo masculino. Em 2018, 64% dos estudantes dessa área eram do sexo feminino, de acordo com a Agência de Estatísticas da Educação do Reino Unido.

No Brasil, universidades como a Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, 47% dos estudantes que iniciaram o curso de engenharia agronômica em 2020 são do sexo feminino, o que representa um grande aumento em comparação à proporção de estudantes do sexo feminino nesta década.

Portanto, a tendência em algumas das principais economias agrícolas é que cada vez mais mulheres concluam seus estudos agrícolas, o que significa que as mulheres que vêm trabalhar na agricultura nesses países geralmente são altamente educadas em assuntos relacionados à agricultura.

O futuro das mulheres na agricultura

À medida que a agricultura está evoluindo e se tornando menos dependente do trabalho pesado, a contribuição potencial que as mulheres podem dar à agricultura está aumentando, assim como as oportunidades para elas. Ao mesmo tempo, as principais empresas do setor agrícola dos EUA começam a anunciar suas iniciativas para incentivar e apoiar os papéis de liderança feminina em suas estruturas, o que antes era inédito. Ainda existem muitas barreiras para as mulheres na agricultura, no entanto, a boa notícia é que há indicações de uma mudança para um futuro mais inclusivo na agricultura em importantes mercados, que esperamos também que se espalhe para outros países ao redor do mundo.

#EachforIgual

O tema do dia internacional das mulheres deste ano é “Each for Igual” para ajudar a promover um mundo com igualdade de gênero para um mundo mais capacitado. Ainda há um longo caminho a percorrer para a fome ZERO no mundo. Hoje existem cerca de 800 milhões de pessoas passando fome, mais a população mundial está crescendo rapidamente e espera-se que mais 2 bilhões de pessoas façam parte da população global até 2050.
O fato é que, se as mulheres agricultoras tivessem o mesmo acesso aos recursos que os homens, o número de pessoas com fome no mundo poderia ser reduzido consideravelmente e estaríamos um passo mais perto da segurança alimentar global.
Portanto, para uma agricultura mais progressiva, capaz de enfrentar os desafios da segurança alimentar global, é importante reconhecer as conquistas das mulheres na agricultura e aumentar a visibilidade da agricultora para combater o preconceito e os estereótipos de gênero, que estão prejudicando mulheres e homens.

Artigos Relevantes

Behind every healthy animal is a strong farmer
Sustainable development goals – Goal 2: Zero Hunger
International Women’s Day 2020 campaign theme is #EachforEqual