plant extracts - herbs and spices

Extratos vegetais na nutrição animal – Por que a formulação importa

Extratos vegetais são muitas vezes colocados no mesmo cesto, quando na verdade existem muitos tipos diferentes de ervas e especiarias que poderiam ser usados em produtos formulados para uso em ração animal. Além disso, há uma infinidade de possibilidades para combiná-los e fatores adicionais que diferenciarão produtos que contenham extratos vegetais formulados para uso em rações animais. Assim, a realidade é que eles não são todos iguais.

O tipo e a combinação de extratos vegetais é apenas um dos fatores que determina a função e eficácia do que é atualmente comercializado para ração animal como “extratos vegetais”.  O que parece promissor em um experimento in vitro pode nem sempre ser prático e econômico in vivo.  A questão sempre será: os extratos vegetais foram testados em diferentes doses no animal e em que espécie?

Aqui estão 3 dos principais fatores que precisam ser considerados ao formular e projetar soluções nutricionais baseadas em extratos vegetais.

1.Função

Ervas e Especiarias têm muitos componentes bioativos diferentes com diferentes propriedades e funções. Até seus óleos essenciais podem ter algo como 80 componentes diferentes. As plantas evoluíram para lidar com estressores e muitos desses componentes têm um papel protetor que dá suporte a resiliência das plantas, mas também evoluíram para atrair polinizadores para propagação. Assim, quando você combina extratos vegetais derivados de uma série de ervas e especiarias diferentes você pode ter um coquetel de substâncias bioativas e seu efeito também será determinado em efeitos sinérgicos e não apenas concentrações de componentes individuais. Novas tecnologias de pesquisa têm facilitado uma compreensão mais aprofundada do modo de ação dos extratos vegetais e seus componentes no nível animal. Como resultado, agora é possível formular extratos vegetais com uma ideia mais precisa do resultado para sua função e na resposta do animal, em vez de apenas trabalhar em uma abordagem caixa preta. Isso está acelerando o processo de desenvolvimento e avaliação de produtos. Também proporciona maior potencial para diferenciação na função entre os produtos por meio do conhecimento da formulação dentro da categoria de extratos vegetais.

2.Sabor

A maioria dos extratos vegetais tem propriedades sensoriais e vêm com um sabor distinto. Isso por si só pode determinar o quão eficaz o produto será e quanto dele você pode aplicar à alimentação animal, porque o sabor pode afetar a ingestão de ração não apenas de forma positiva.  Por exemplo, extratos vegetais com um forte gosto amargo podem levar a uma menor aceitação da ração em suínos. Mais uma vez, isso vai depender da dosagem, mas é possível aplicar a dosagem necessária para alcançar o efeito desejado em suínos sem ter um impacto negativo na ingestão de ração? Somente testes de resposta de dose in vivo fornecerão a resposta. Por isso, é importante entender quais compostos de extração vegetal podem ter um impacto negativo na ingestão de ração e encontrar maneiras de determinar a dose aceitável ou mascarar seu gosto.

3.Concentração/dosagem de extratos vegetais

Concentrações de componentes individuais na fórmula e concentrações finalmente adicionadas à alimentação determinam a dosagem necessária para alcançar a resposta desejada no animal. Os ensaios de dose resposta são necessários para determinar a dosagem ideal e mais econômica. Como é o caso de outros tipos de aditivos nutricionais, mais nem sempre é sinônimo de melhor em termos de desempenho. O que existe é uma dose mínima necessária para ter um impacto sobre o animal.

Estes são apenas alguns dos fatores a serem considerados ao formular produtos com extratos vegetais, destacando que a forma como eles são formulados importa, e a palavra final fica com os animais.

Artigos relevantes

Resiliência animal – Aproveitando o poder da resiliência da planta

Evolução na avaliação da fitogenics